• Bruno Gonçalves

Fasciaterapia e o Movimento Interno


A Fasciaterapia é uma metodologia de integração do corpo e mente. O corpo humano é animado por um movimento, que designamos de movimento sensorial ou movimento interno

O que são as fáscias? Até há poucos anos dava-se muito pouca importância às fáscias na medicina, mas diversos estudos científicos vêm dando cada vez mais destaque a este tecido.

A fáscia é tecido conjuntivo encontrado sob a pele, formado em faixas, membranas que envolvem e separam estruturas do corpo desde o cérebro aos músculos, ossos, órgãos, células e até vasos sanguíneos.


O tecido conjuntivo ajuda os músculos do corpo a se moverem livremente com outras partes do corpo, como por exemplo o osso, garantindo que o atrito seja mínimo. O que acontece não raras vezes, é que devido a traumas, posturas erradas ou stress, as fáscias podem ficar tensas e o movimento interno não flui como deveria, atrapalhando a sua função de força auto-reguladora do organismo.


Como uma extensa rede, que tem o intuito de efectivar a unidade funcional do corpo, elas envolvem todo o corpo, de cima em baixo, de um lado a outro, da pele aos ossos.

Para entender-se como a fáscia está generalizada no nosso corpo, caso retirássemos todos os músculos, ossos e orgãos, para quem visse de fora continuaria a ver a forma de um corpo humano, menos o cabelo.

A fáscia é formada principalmente por:


> diferentes tipos de células

> fibras

> substância fundamental


O que é a Fasciaterapia e a sua relação com o Movimento Interno?


A Fasciaterapia é uma metodologia de integração do corpo e mente. O corpo humano é animado por um movimento, que designamos de movimento sensorial ou movimento interno.

Esta animação interna é constante, e tal como referi, portadora de uma força de regulação orgânica, não só física, mas também de equilíbrio dos esquemas psíquicos e comportamentais.

É nas “fáscias”, tecidos específicos do corpo humano, que circula o movimento interno. Para isso, segundo o Método Danis Bois, usamos o Toque Manual de Relação a Introspecção Sensorial (meditação) e o Movimento Sensorial, como formas de aceder ao movimento interno do corpo e restabelecer o biorritmo, fonte de equilíbrio das várias dinâmicas do ser humano.

Tal como referi anteriormente, o fluir deste movimento é perturbado por stress, traumatismos, entre outras causas, o que conduz o indivíduo ao desequilíbrio físico, emocional e psicológico.

Os fáscias perdem deste modo a sua elasticidade, ficam tensos, originando-se assim vários bloqueios orgânicos que resultam em diferentes patologias, dores e instabilidade psicológica.

A Fasciaterapia tem muito bons resultados ao nível diminuição da dor, desequilibrios da coluna vertebral, torcicolos, lombalgias agudas e crónicas, desequilíbrio da pelve e hérnias discais. Também é indicada nos sintomas de dor de membros superiores e inferiores como ciáticas, tendinites, entorses, etc.

A Fasciaterapia é, em si, uma maneira de lidar com a patologia, tanto no aspecto preventivo como de equilíbrio geral do organismo.

Entre as contra-indicações estão todos os tipos de câncro e fracturas.


A Fasciaterapia é particularmente eficiente nos:

> Alívio da dor (muscular, articular, óssea, cefaleias, dor sem causa aparente);

> Problemas na Coluna Vertebral, hérnias discais, torcicolos, ciática, etc. > Desnível e desarranjos ósseos, osteoporose, problemas crânio-sacrais; > Instabilidade emocional e psicológica;

> Problemas de tensões e sintomas ligados ao stress como insónia, depressão, ansiedade; > Lesões desportivas ou para quem quer melhorar a sua performance profissional e vida quotidiana; > Falta de memória e concentração.


Bruno Gonçalves (Naturopata e Fasciaterapeuta)

Consultoria em Qualidade de Vida

((+351) 964387506)